Caso Isabella Nardoni: 3º dia de julgamento

Este 3º dia de mais um julgamento foi marcado pelo depoimento da perita criminal Rosângela Monteiro, que afirmou que as marcas da rede de proteção na camiseta de Alexandre Nardoni evidenciam que foi ele quem atirou Isabella pela janela.

 

10h15 - Começa nesta manhã de quarta-feira (24) o terceiro dia de julgamento que irá difinir o futuro do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá, pai e madastra da menina Isabella Nardoni, de 5 anos.

9h44 - Chega ao Fórum de Santana, na zona norte de São Paulo, a avó materna da menina, Rosa de Oliveira. Rosa acenou, mas preferiu não falar. Acompanham o julgamento também, o avô paterno da menina, Antônio Nardoni, e a tia de Isabella Cristiane Nardoni.


10h25 - A primeira testemunha a depor começa a ser ouvida, a perita Rosângela Monteiro, do Instituto de Criminalística (IC), e responsável pela elaboração dos laudos sobre a morte da menina Isabella Nardoni em 2008. O depoimento da perita durou mais de cinco horas.

Rosângela foi arrolada como testemunha pela defesa e também pela acusação do casal. Ela afirmou que a menina foi ferida antes de entrar no apartamento do casal Nardoni e que já entrou sangrando. A perita disse ainda que o sangue encontrado no apartamento era da menina morta.

A perita ainda falou que as marcas da grade na camiseta de Alexandre Nardoni comprometeram o mesmo. Segundo ela as marcas da grade só poderiam se fixar na camiseta, após debruçado com peso de pelo menos 20kg (Isabella pesava 25kg). O casal permaneceu quieto no julgamento, portanto, Alexandre se mostrou mais atento às explicações da perita do que Anna Jatobá. 

17h - Começa o depoimento do jornalista Rogério Pagnan, que na época da queda de Isabella, fez uma entrevista com o pedreiro Gabriel Santos para o jornal "Folha de S.Paulo", em que o ele afirmava que uma pessoa havia arrombado uma obra vizinha ao edifício London na noite do crime. O depoimento do jornalista durou cerca de 40 minutos. Enquanto fazia uma demonstração, o jornalista quebrou um pedaço da maquete.

A terceira testemunha a ser ouvida foi o escrivão de polícia Jair Stirbulov. Ele terminou de depor às 18h. Em seu depoimento, ele disse que foi chamado para atender uma ocorrência de roubo seguido de morte e que auxiliou a delegada Renata Pontes nas investigações do crime por 30 dias ouvindo vizinhos e colhendo informações. O escrivão foi a última testemunha a ser convocada pela defesa.

19h - Por volta deste horário, o julgamento foi interrompido pelo juiz Maurício Fossen. A dispensa de oito das dez testemunhas pela defesa do casal surpreendeu.

Alexandre vestia camisa verde e calça jeans e Anna Jatobá camisa rosa e calça preta.

Novamente, a avó de Isabella, Rosa Oliveira, não suportou a descrição das condições da morte da menina e deixou o plenário.

A expectativa para o quarto dia de julgamento é ainda maior, e isso não é à toa, pois é o dia em que os réus não irão apenas acompanhar o julgamento, mas irão depor também.

Veja também:

Caso Isabella Nardoni: 2º dia de julgamento
Caso Isabella Nardoni: 1º dia de julgamento

Mikael Fernandes

Escritor e administrador no blog, técnico em Redes de Computadores. Tem uma grande afeição por tecnologia e gosta de compartilhar notícias e informações relevantes.