Preço dos alimentos cai, mas não o suficiente para aliviar o bolso do consumidor

Do Exame.com

Os preços dos alimentos caíram nos últimos meses, segundo informou nesta quarta-feira o Banco Mundial (BM), que atribuiu o descenso à menor demanda dos cereais, mas ainda estão perto do recorde histórico registrado do ano passado.

A "persistência" dos preços altos e a "volatilidade" dos mesmos contribuem para a fome e a desnutrição, assim como para a obesidade mundial, já que "pode aumentar o consumo de comida mais barata e menos nutritiva", advertiu a instituição em comunicado.


Segundo o índice de preços dos alimentos que é elaborado periodicamente pelo Banco Mundial, o preço do trigo caiu 11%, o do açúcar, 10%, e o do milho, 6%, entre outubro de 2012 e fevereiro de 2013.
"Uma menor demanda devido a uma forte queda no uso de farelo de trigo (para o gado) e a redução do uso de milho para fabricar etanol nos Estados Unidos" impulsionaram a queda dos preços, de acordo com a instituição.
O banco aponta que as condições meteorológicas favoráveis em algumas regiões também aumentaram a expectativa de uma colheita melhor em 2013.
No entanto, a instituição assinala que o preço global dos alimentos permanece apenas 9% mais baixo que o registrado em agosto de 2012, quando foi alcançado o valor máximo.
Neste sentido, expressou sua preocupação com a influência da seca nos Estados Unidos e da falta de chuvas na Argentina, África do Sul e Austrália nas colheitas dos próximos meses.
O relatório também faz referência ao impacto que podem ter os preços do petróleo, que vêm subindo nos últimos meses.

Mikael Fernandes

Escritor e administrador no blog, técnico em Redes de Computadores. Tem uma grande afeição por tecnologia e gosta de compartilhar notícias e informações relevantes.